post

Mais argumentos contra os veículos a gasóleo que ainda representam 63% das vendas em Portugal

Dois anos depois do escândalo dieselgate ter exposto a natureza poluente dos carros a gasóleo, um novo estudo da Federação Europeia de Transportes e Ambiente (T&E) de que a ZERO é membro, mostra que os carros a gasóleo não só poluem o ar, mas também emitem mais gases com efeito de estufa do que carros a gasolina. Uma análise do ciclo de vida das emissões dos veículos comprova que os carros a gasóleo ao longo da sua vida emitem mais 3,65 toneladas de dióxido de carbono (CO2) do que um equivalente a gasolina.

O maior impacto climático do gasóleo deve-se:

  • a um processo de refinação deste combustível que tem um utilização mais intensiva de energia;
  • à necessidade de utilizar mais materiais na produção de motores mais pesados e mais complexos;
  • à existência de emissões mais elevadas do biodiesel misturado no gasóleo;
  • uma quilometragem mais longa durante o ciclo de vida porque o combustível é mais barato – infografia abaixo em inglês.

Esta análise desacredita a afirmação dos fabricantes de automóveis de que carros gasóleo são necessários para atingir seus objetivos climáticos. Um olhar sobre os folhetos e sites dos fabricantes de automóveis demonstra que a diferença entre motores a gasóleo e a gasolina comparáveis é insignificante: de zero a alguns gramas de CO2. Mas os carros a gasóleo geralmente custam 2.000 a 3.000 Euros a mais do que os a gasolina. As alternativas atualmente disponíveis, como os veículos híbridos a gasolina, têm preços similares ao gasóleo, mas emitem cerca de 20-25% menos de CO2.

Um mercado distorcido favorável ao gasóleo

Na Europa, o mercado automóvel é distorcido a favor do gasóleo através de regulamentos tendenciosos e impostos injustos. Enquanto a quota de carros a gasóleo na Europa é de cerca de 50%, este é um nicho de mercado no resto do mundo. A Europa compra 7 de cada 10 carros e carinhas a gasóleo vendidos globalmente, enquanto menos de 1% dos novos veículos vendidos nos EUA são a gasóleo e, na China, o maior mercado de veículos do mundo, o gasóleo representa menos de 2%.

O estudo encontra três causas para a adição da Europa e de Portugal ao gasóleo:

  • Taxas de combustível e veículos nacionais distorcidas. O gasóleo é tributado entre 10% a 40% menos do que a gasolina na maioria dos países. Este “bónus do gasóleo” custou aos orçamentos nacionais quase €32 mil milhões em receitas fiscais perdidas apenas em 2016;
  • Padrões de emissões Euro da UE injustos que, durante décadas, permitiram que os carros a gasóleo emitissem mais óxidos de azoto (NOx) do que a gasolina. Isso foi exacerbado pelo uso de testes obsoletos (recentemente atualizados) e supervisão regulatória ineficaz que permitiu que os fabricantes de automóveis se encaixassem nos controles de exaustão baratos e ineficazes, que eles baixavam ou desligavam a maior parte das vezes.
  • Regulamentos de CO2 tendenciosos que estabelecem objetivos mais fracos para os fabricantes de automóveis que produzem veículos a gasóleo maiores e mais pesados.

Julia Poliscanova, Federação Europeia de Transportes e Ambiente, refere: “O legado do Dieselgate são os 37 milhões de carros a gasóleo altamente poluentes que ainda circulam nas estradas da Europa. Precisamos de uma ação concertada e coordenada em toda a UE para garantir que esses carros deixem de libertar gases tóxicos por mais 10 a 15 anos. É hora dos fabricantes de automóveis assumirem a responsabilidade pela limpeza e financiamento das medidas locais para combater a crise da poluição atmosférica urbana que em grande parte causaram. Os reguladores nacionais de veículos devem garantir que isso acontece ou a Comissão Europeia deve intervir e resolver a confusão”.

Existem mais de 37 milhões de carros e carrinhas ilegalmente poluentes que circulam em toda a Europa e a resposta da indústria é uma série de soluções de software incoerentes em alguns países, sem um programa de redução de emissões consistente para os clientes em todos os 28 países da UE.

ZERO quer discutir caminho das cidades e do país para banir motor de combustão

Portugal é também um país com um parque automóvel historicamente baseado nos veículos a gasóleo. Nos primeiros seis meses deste ano, 63% dos veículos ligeiros de passageiros novos adquiridos (78 mil) utilizam gasóleo versus cerca de 45 mil a gasolina. O único sinal positivo é que o aumento de vendas foi maior no segmento a gasolina (9%) que no segmento gasóleo (4%).

Apesar de ter ocorrido uma redução do bónus que é dado ao gasóleo em relação à gasolina em termos de taxas e impostos nos últimos dois anos na França, Bélgica e Portugal, o nosso país é o que apresenta a quarta maior bonificação dos veículos a gasóleo no quadro da UE-15 – um favorecimento de 28,4% entre os anos de 1994 e 2017 (um aumento de 3% entre os dois anos do intervalo).

Mais ainda, não se tem verificado um decréscimo do consumo de gasóleo em Portugal, já que, entre junho de 2016 e junho de 2017, o consumo de gasóleo aumentou 0,5%, enquanto o consumo de gasolina diminuiu 3,8% (fonte: DGEG).

Francisco Ferreira, conclui: “O dieselgate já mostrou que os carros a gasóleo são a principal causa do dióxido de azoto tóxico nas cidades europeias, nomeadamente pela ultrapassagem de valores-limite em centros urbanos como Lisboa. Contrariamente às reivindicações da indústria, aprendemos que os carros a gasóleo também são piores para o clima do que os carros a gasolina e não são necessários para atingir os objetivos de CO2 dos automóveis. Portugal deve agora olhar para a frente e acelerar a transição para veículos limpos e elétricos e isso tem de ser traduzido no próximo Orçamento do Estado e nas políticas locais de restrição à circulação automóvel.”

Estudo completo:

https://drive.google.com/file/d/0B3I446PZQQ5ZXBPM0I5Z29XeW8/view?usp=sharing

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *