post

– Zona de Proteção Especial da Lagoa Pequena (Lagoa de Albufeira – Sesimbra) – 22 de Janeiro

Descrição: Ainda há espaços naturais na Área Metropolitana de Lisboa que nos podem surpreender. Ao fazermos os trilhos da Lagoa Pequena podemos observar algumas espécies de aves que necessitam de sossego e tranquilidade (quem não gosta?…) e de algumas condições especiais para sobreviverem. Passe uma manhã ou uma tarde conosco na Lagoa Pequena e surpreenda-se pela positiva.
Deslocação: Comboio até Lisboa e/ou partilha de boleias a partir de Lisboa ou do Porto.
Nota: Se o número de inscrições ultrapassar a capacidade do local, será marcada uma segunda visita, em data a combinar.

– Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros – 11 de fevereiro

Descrição: Esta proposta de um dia bem passado é dirigida àqueles que gostam de caminhar. Propomos-lhe uma travessia da Serra de Aire (678 metros de altitude), com subida a partir de Pedrógão e descida até perto de Fátima. Estamos à espera de que nessa altura seja já possível mostrar-lhe alguma da interessante flora, como os narcisos ou as orquídeas, que ocorre naturalmente neste Parque Natural onde o calcário está em todo o lado.
Duração: 1 dia
Deslocação: Comboio até à estação do Entroncamento e/ou partilha de boleias a partir de Lisboa, Porto ou Entroncamento.
Dificuldade do percurso: Média

– Zona de Protecção Especial de Castro Verde – 25 de março

Descrição: Abetardas, Francelhos, Sisões e Alcaravões podem ser nomes estranhos para a maior parte das pessoas. Mas são nomes de algumas espécies de aves que sobrevivem nas planícies alentejanas graças à manutenção de um sistema agrícola baseado na rotação cereal/pousio-pastagem, que é hoje um exemplo de que, muitas vezes, é possível compatibilizar a atividade agrícola com a conservação do solo e da biodiversidade.
Duração: 1 dia
Deslocação: Comboio até Lisboa ou partilha de boleias a partir do Porto. Autocarro a partir de Lisboa.
Dificuldade dos percursos: Baixa

– Sítios Rio Paiva e Serra de Montemuro – 8 de abril

Descrição: Percorrer o vale encaixado do Rio Paiva, por entre os bem preservados bosques de amieiros, à espera de que alguma truta-de-rio nos surpreenda, é a proposta para a parte da manhã. Da parte da tarde, subimos à Serra de Montemuro e vamos conhecer os carvalhais e os ambientes turfosos, numa paisagem deslumbrante e de vistas largas.
Duração: 1 dia
Deslocação: Comboio até Aveiro ou partilha de boleias a partir de Lisboa ou Porto. Autocarro a partir de Aveiro.
Dificuldade dos percursos: Baixa

– Parque Natural da Serra da Estrela – 20 e 21 de maio

Descrição: Neste Passeio queremos mostrar-lhe que a serra da Estrela não tem só neve. A nossa proposta para esta altura do ano é mostrar uma paisagem única, onde podemos encontrar uma flora e habitats naturais e seminaturais de elevado interesse para a conservação, chamando a atenção para a importância de manter as atividades económicas tradicionais, como a pastorícia ligada à produção do queijo Serra da Estrela, para a preservação da biodiversidade nesta área montanhosa.
Duração: 2 dias
Deslocação: Comboio até Coimbra ou partilha de boleias a partir de Lisboa ou Porto. Autocarro a partir de Coimbra.
Dormida: Pousada da Juventude de Penhas da Saúde (ou outras opções a tratar pelo(a) associado(a) ZERO)
Dificuldade dos percursos: Baixa

– Reserva Natural do Paúl do Boquilobo e Rio Tejo – 3 de junho

Descrição: Neste Passeio o tema central é a água. De manhã vamos fazer um percurso no Paul do Boquilobo e perceber a importância de preservar as zonas húmidas para garantir a sobrevivência de muitas espécies de aves, anfíbios e invertebrados. E à tarde algo mais movimentado: canoagem rio Tejo abaixo, entre Constância e o castelo de Almourol.
Duração: 1 dia
Deslocação: Comboio até ao Entroncamento ou partilha de boleias a partir de Lisboa, Porto ou do Entroncamento.
Dificuldade dos percursos: Baixa

– Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina – 23 e 24 de setembro

Descrição: Este Parque Natural ainda possui muitos recantos bem preservados com paisagens costeiras que precisa de conhecer. E o convite estende-se à observação da fauna e da flora que se habituaram a viver num ambiente mais agreste, onde o mar parece querer entrar terra adentro (ou será o contrário?). É também espaço de migração outonal para muitas aves que aproveitam para descansar um pouco em Sagres, antes da travessia das águas do Atlântico em busca de paragens mais quentes.
Duração: 2 dias
Deslocação: Comboio até Lisboa ou partilha de boleias a partir do Porto. Autocarro a partir de Lisboa.
Dormida: Pousada da Juventude de Almograve (ou outras opções a tratar pelo(a) associado(a) ZERO)
Dificuldade dos percursos: Baixa

– Sítio e Zona de Protecção Especial da Ria de Aveiro – 21 de outubro

Descrição: A Ria de Aveiro passou há pouco tempo a ostentar também o título de Sítio de Importância Comunitária da Rede Natura 2000. É um prémio merecido, já que esta é a mais importante zona húmida do Norte do país. Para além de albergar grande diversidade de comunidades vegetais de meios salinos que ocupam uma extensa área estuarina, em que tudo ou quase tudo depende do ciclo das marés, serve de maternidade e “creche” para muitas espécies marinhas que vão povoar as zonas costeiras contíguas e é habitat de abrigo, alimentação e reprodução de muitas aves aquáticas residentes e migradoras.
Duração: 1 dia
Deslocação: Comboio até Aveiro e/ou partilha de boleias a partir de Lisboa, Porto e Aveiro.
Dificuldade dos percursos: Baixa

– Reserva Natural do Sapal de Castro Marim e VRS e Parque Natural da Ria Formosa – 18 e 19 de novembro

Descrição: No meio de tanta pressão turística e imobiliária, ainda sobreviveram no Algarve alguns cantinhos preservados. A nossa proposta é fazer um passeio de barco pelas ilhas-barreira que protegem o sistema lagunar da Ria Formosa, para observação da flora e fauna dos habitats dunares e da zona entre marés, bem como um percurso pedestre pelos sapais e salinas de Castro Marim para observação de aves. Enfim, para variar, um fim-de-semana no Algarve um pouco diferente do habitual.
Duração: 2 dias
Deslocação: Comboio até Faro e/ou partilha de boleias a partir de Lisboa, Porto e Faro.
Dormida: Pousada da Juventude de Faro (ou outras opções a tratar pelo(a) associado(a) ZERO)
Dificuldade dos percursos: Baixa

• Nota importante • De acordo com o Decreto-Lei n.º 108/2009, de 15 de maio (alínea c), ponto 3 do Artigo 5.º), as ONGAS só podem organizar actividades de animação desde que as mesmas se dirijam “única e exclusivamente aos seus membros ou associados e não ao público em geral.” Assim, quem não for associado e e quiser participar, terá obrigatoriamente que de fazer a sua inscrição aqui: http://zero.ong/participacao/proposta-de-associado/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *