post
Especialistas da ZERO contribuíram para estudo

A implementação da política de eficiência energética continua a ser um desafio para a maioria dos Estados-Membros (EM). Este é o principal resultado do segundo relatório “Energy Efficiency Watch Survey”, agora publicado e que envolveu um extenso inquérito “online” e entrevistas a mais de 1100 especialistas europeus de eficiência energética, incluindo especialistas da ZERO.

Este relatório segue-se aos resultados apresentados pelos EM sobre a implementação dos Planos Nacionais de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE). O objetivo deste inquérito foi ter opinião das partes interessadas e dos especialistas sobre o progresso das políticas públicas de eficiência energética, nos diferentes setores e nos respetivos países.

O retrato de Portugal não é animador. De acordo com os especialistas portugueses que participaram no inquérito, o país está dentro do grupo que progrediu muito pouco desde 2012, aquando do primeiro relatório de progresso. Esta é mesmo a segunda maior descida entre todos os EM. Portugal desceu assim do 6º para o 21º lugar do ranking de acordo com a tabela abaixo.

Portugal apresenta a segunda maior descida nesta avaliação

Portugal apresenta a segunda maior descida nesta avaliação

As opiniões dos especialistas dividem-se na avaliação geral das políticas nacionais de eficiência energética. Ainda assim, 60% considera que as políticas são pouco ambiciosas, ou identificam ambição em alguns setores. 60% dos especialistas expressou ainda a opinião que por um lado, os progressos nas políticas de EE foram muito limitados e por outro, as políticas adicionais foram muito reduzidas.

Ainda sobre Portugal, os especialistas afirmaram que a crise económica e o resultado das políticas de austeridade foram as grandes barreiras para o progresso da eficiência energética, incluindo a redução do financiamento bancário nesta área.

O setor público for particularmente afetado pela crise financeira e a avaliação do progresso sobre o exemplo que os edifícios públicos devem dar em termos de reabilitação com medidas de eficiência energética ficou também entre os mais baixos ao nível europeu.

No setor residencial e serviços o principal problema apontado foi a falta de incentivos financeiros para a melhoria da eficiência energética (nomeadamente ao nível da reabilitação de edifícios).

No setor dos transportes o decréscimo dos incentivos aos veículos elétricos foi o principal problema apontado.

Este relatório insere-se no projeto europeu “Energy Efficiency Watch (EEW)”, que pretende facilitar a implementação das políticas europeias de eficiência energética, recolhendo informação sobre a implementação dos PNAEE e difundido os resultados aos variados grupos interessados, incluindo especialistas e responsáveis políticos, ao nível europeu, nacional e regional.

Links úteis:

– Resumo e conclusões: http://www.energy-efficiency-watch.org/fileadmin/eew_documents/EEW3/Survey_Summary_EEW3/EEW3-Survey-Summary-fin.pdf

– Relatório completo: http://www.energy-efficiency-watch.org/fileadmin/eew_documents/EEW3/Survey_Summary_EEW3/EEW3-Survey-Report-fin.pdf

– Site do projeto Energy Efficiency Watch: http://www.energy-efficiency-watch.org/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *