post

ZERO reforça solução que promove a economia circular e poupa 20 milhões de euros

A Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável vai estar presente na sessão de esclarecimento sobre projeto da central de incineração de São Miguel, promovido pela MUSAMI (empresa proponente deste projeto), que se irá realizar no dia 10 de fevereiro, no auditório do NONAGON – Parque de Ciência e Tecnologia de São Miguel, na Lagoa, a partir das 20h30.

A Zero irá aproveitar a ocasião para divulgar mais uma vez a ideia que tem para o tratamento dos resíduos urbanos em São Miguel, nomeadamente a proposta que fez de instalação de uma unidade de tratamento mecânico e biológico (TMB*) que permitiria:

  • Reduzir o investimento em pelo menos 20 milhões de euros
  • Reciclar metade dos resíduos urbanos que a MUSAMI pretende incinerar
  • Criar mais de 20 postos de trabalho
  • Poupar a emissão de milhares de toneladas de gases de estufa
  • Produzir energia realmente renovável (biogás)
  • Ser compatível com uma política de recolha seletiva e reciclagem

Aproveitaremos a oportunidade para divulgar a resposta que obtivemos da MUSAMI em relação à nossa proposta, da qual aqui referimos o essencial:

  • A MUSAMI não apresenta dados que contestem que um TMB possa reciclar 50% dos resíduos. Aliás não o poderia fazer, pois teria de desmentir os dados da própria Direção Regional de Ambiente dos Açores e do Ministério do Ambiente em relação ao desempenho dos TMB, respetivamente nos Açores e no continente
  • A MUSAMI não contesta que a solução apresentada pela ZERO pouparia 20 milhões de euros no investimento
  • A MUSAMI não contesta que a solução apresentada pela ZERO criaria mais de 20 postos de trabalho
  • O Diretor Geral da MUSAMI refere que “o Projeto do Ecoparque (incinerador) está dependente da construção de uma hídrica reversível é uma ideia vossa (da ZERO) e não nos diz respeito”, em contradição total com o que tem sido a posição do Presidente da AMISM (Associação de Municípios da Ilha de São Miguel) que várias vezes tem referido que sem a central hídrica a incineração não é viável.

Para mais, voltamos a reiterar que sendo a região considerada um dos destinos mais sustentáveis do mundo, que compete no mercado global para captar turistas que procuram conhecer os seus tesouros naturais num ambiente que é menos poluído, parece-nos contraproducente esta aposta em soluções mais poluentes e potencialmente inibidoras da manutenção de uma imagem de excelência ambiental.

(*) – O TMB é uma solução tecnológica, através da qual os resíduos urbanos indiferenciados sofrem inicialmente um tratamento mecânico que os separa em 3 frações (orgânicos, recicláveis e rejeitados). Os resíduos recicláveis são encaminhados para reciclagem, os orgânicos para tratamento biológico do qual resulta composto e biogás (fonte de energia renovável). Esta solução permite reciclar cerca de 50% dos resíduos processados. Em Portugal existem cerca de 20 unidades de TMB, incluindo algumas nos Açores.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *