post

6 de julho, ZERO no Climate Change Leadership – Porto Summit 2018

O Presidente da ZERO, Francisco Ferreira, através de convite formulado pela Câmara Municipal do Porto e Paulo Magalhães, responsável pelo projeto “Casa Comum da Humanidade”, foram convidados pelo Presidente da Câmara Municipal do Porto e pela SONAE, respetivamente, para estarem presentes na Cimeira Porto 2018 sobre liderança em alterações climáticas. Esta conferência é mais uma grande oportunidade para mobilizar a sociedade e em particular muitos decisores e empresas no combate às alterações climáticas, reforçando o papel pioneiro que Portugal tem na redução de emissões de gases com efeito de estufa, nos investimentos em energias renováveis e na ambição de ser um país neutro em carbono em 2050.

O Presidente Barack Obama teve um papel absolutamente decisivo no desbloqueamento das negociações climáticas que estavam desde há anos envolvidas em conflito entre Estados Unidos e China quando em novembro de 2014, no encontro de Cooperação Económica Ásia-Pacífico, os dois países concordaram em metas futuras – os EUA reduzindo as emissões de gases de efeito de estufa mais do que estava inicialmente previsto para 2025 e a China comprometendo-se a atingir o pico das suas emissões antes de 2030. Este entendimento foi crucial na preparação e viabilização do Acordo de Paris sobre o clima que seria assinado em dezembro de 2015 e ratificado alguns meses mais tarde pelos EUA e que, mesmo com a denúncia do mesmo pelo atual Presidente Trump, estará em vigor até um dia após a eleição do próximo presidente americano.

A ZERO lembra que o Presidente Obama decidiu em dezembro de 2016, solidificar o seu legado ambiental ao retirar a possibilidade de novas perfurações offshore de petróleo e gás em centenas de milhões de hectares de terras de propriedade federal no Ártico e no Oceano Atlântico.

Obama usou uma lei pouco conhecida denominada Lei das Terras de Plataforma Continental para proteger grandes partes dos mares de Chukchi e Beaufort no Ártico e uma cadeia de desfiladeiros no Atlântico que se estendem de Massachusetts à Virgínia. Além de uma moratória de cinco anos já em vigor na altura para o Atlântico, ao remover os desfiladeiros da área de perfuração, colocou grande parte da costa leste fora dos limites para a exploração de petróleo, mesmo que as empresas venham a desenvolver planos para operarem em redor. A ZERO espera neste contexto, que tal seja uma inspiração para o governo português que está a viabilizar a exploração de petróleo no offshore da Costa Vicentina, frente a Aljezur.