O QUE É O AMIANTO?

O amianto é utilizado sob a forma de fibra (trabalha-se como se fosse um tecido) amplamente utilizado, sobretudo entre 1940 e 2000. O amianto confere aos materiais resistência (através das suas fibras torna o material menos passível de se degradar e torna-o mais resistente ao fogo, o amianto tem a capacidade de resistir até 1000º sem se fundir).

A UE proibiu a incorporação de amianto nos materiais a partir de 1999. Na Suíça esta proibição fez-se em 1989, em Espanha em 2002 e em Portugal em 2005. A probabilidade de existência de amianto na composição de materiais situa-se nas construções deste período, especialmente entre os anos 60 e os 90.

ONDE SE PODE ENCONTRAR?

O amianto foi utilizado em mais de 3500 produtos sendo apenas seguro afirmar se um material tem ou não amianto após realização de análises/testes. Em cada país puderam ainda verificar-se tipos de materiais e usos ligeiramente diferentes.

  • Pavimento vinílico em mosaicos (pavimento interior, creches, escolas, hospitais)
  • Placas de fibrocimento (conhecidas também como placa Lusalite e Cimianto)
  • Condutas em fibrocimento, reservatórios de água
  • Materiais de base cimentícia  (revestimentos de cimento, pavimentos, garagens)
  • Impermeabilizações
  • Revestimentos de condutas, Isolamentos térmicos, cordas, mastiques
  • Tinta texturada, (cozinhas, WC, tetos decorativos – tinta Artex)
  • Cabos elétricos
  • Panos de teatro/palco, alcatifas e tecidos
  • Fatos de bombeiros
  • Aventais em metalúrgicas
  • Secadores de cabelo
  • Aquecedores a óleo
  • Torradeiras
  • Proteções de tábuas de engomar
  • Travões de automóveis
  • Torradeiras

(entre outros)

Verificar lista de Materiais de construção disponibilizada pela ACT.

O QUE PROVOCA NA SAÚDE HUMANA?

O amianto desagrega-se em partículas que aquando da sua inalação podem provocar diversos tipos de cancro, mesotelioma ou asbestose.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) definiu que não existia quantidade mínima de exposição ao amianto que fosse segura. Será tudo uma questão de probabilidades, no entanto, qualquer momento/exposição a ambientes com materiais com presença de amianto é considerada perigosa.

COMO REMOVÊ-LO CORRETAMENTE?

Pelo facto de o material não apresentar desgaste ou eventual libertação de partículas (apenas verificável através de análises à qualidade do ar) não significa que não deva ser removido. Os primeiros sinais visíveis de desgaste num material ocorrem depois do material ter já libertado eventuais partículas para o ambiente que podem ter sido inaladas pelas pessoas.

Por esta razão a melhor opção será sempre remover em segurança o material onde foi identificada a presença de amianto. Esta remoção só pode ser efetuada por empresas após notificação à ACT garantindo que o plano de trabalhos cumpre todas as regras de segurança identificadas nos documentos legais.

O encapsulamento (colocar materiais sobre os materiais com amianto) é uma opção de recurso incompleta uma vez que:

1-Não resolve definitivamente o problema, o amianto continua na construção e pode voltar a ser libertado, por desgaste do material de encapsulamento, ou incorreta aplicação;

2-Numa próxima reabilitação se o proprietário não for informado da existência de amianto irá encontrá-lo inadvertidamente sem que se possa proteger quanto a isso;

3-Em caso de catástrofe natural ou intencional pode existir libertação das fibras de amianto pela danificação dos materiais.