Pelo facto de o material não apresentar desgaste ou eventual libertação de partículas (apenas verificável através de análises à qualidade do ar) não significa que não deva ser removido. Os primeiros sinais visíveis de desgaste num material ocorrem depois do material ter já libertado eventuais partículas para o ambiente que podem ter sido inaladas pelas pessoas.

Por esta razão a melhor opção será sempre remover em segurança o material onde foi identificada a presença de amianto. Esta remoção só pode ser efetuada por empresas após notificação à ACT garantindo que o plano de trabalhos cumpre todas as regras de segurança identificadas nos documentos legais.

O encapsulamento (colocar materiais sobre os materiais com amianto) é uma opção de recurso incompleta uma vez que:

1-Não resolve definitivamente o problema, o amianto continua na construção e pode voltar a ser libertado, por desgaste do material de encapsulamento, ou incorreta aplicação;

2-Numa próxima reabilitação se o proprietário não for informado da existência de amianto irá encontrá-lo inadvertidamente sem que se possa proteger quanto a isso;

3-Em caso de catástrofe natural ou intencional pode existir libertação das fibras de amianto pela danificação dos materiais.

*Consultar ACT.

http://www.act.gov.pt/(pt-PT)/crc/PublicacoesElectronicas/Documents/Guia%20de%20boas%20pr%C3%A1ticas%20para%20prevenir%20ou%20minimizar%20os%20riscos%20decorrentes%20do%20amianto.pdf

*Consultar AEPRA

https://aepra.pt/empresas-associadas/