post

A saúde dos ecossistemas, das populações e o futuro da agricultura europeia exigem a redução para metade do uso de pesticidas até 2030

No momento em que se discutem as linhas orientadoras da Política Agrícola Comum para o período 2021 a 2027, é crucial que sejam assumidas medidas eficazes para a diminuição do uso de pesticidas sintéticos. Está em causa a implementação de sistemas de produção agrícola sustentáveis, que permitam alimentar a população europeia e, simultaneamente, melhorar as suas condições de vida. Portugal não poderá ignorar esta oportunidade de transição.

Atualmente, é consensual a urgência em diminuir a dependência da agricultura dos pesticidas sintéticos. O uso excessivo de pesticidas sintéticos é o principal responsável pelo declínio das populações de abelhas e outros insetos polinizadores, com repercussões negativas na sustentabilidade da própria agricultura. O sobreuso de pesticidas tem também efeitos negativos na saúde dos cidadãos, estando demonstrada a sua relação com o aumento da incidência de doenças crónicas [1].

A Política Agrícola Comum possui meios financeiros suficientes para apoiar os agricultores nesta transição e esta pode ser vista como a última oportunidade para o fazer até 2030. Segundo Ana Paz da Liga para a Protecção da Natureza, “a redução do uso de pesticidas sintéticos é necessária para uma agricultura que seja a base de ecossistemas vivos e que seja produtiva hoje e no futuro. Agora é a altura de planear a mudança necessária para alcançar a redução de pesticidas em 2030 e melhorar a saúde dos cidadãos.”

Andreia Albernaz Valente da Apis Domus, refere que “O equilíbrio dos ecossistemas naturais e agrícolas depende, em muito, dos insetos polinizadores, dentre os quais as abelhas desempenham um papel fulcral. A eliminação do uso de pesticidas sintéticos que interferem com os sistemas imunitários destes e de outros seres vivos é uma decisão urgente, hoje, para um amanhã saudável.”

Os cidadãos europeus mobilizaram-se pela eliminação gradual do uso de pesticidas sintéticos na iniciativa “Salvar as abelhas e os agricultores” e a Comissão Europeia apresentou recentemente na sua estratégia para a agricultura e alimentação, denominada “do Prado ao Prato”, uma meta de redução de 50% no uso de pesticidas até 2030. Esta estratégia tem de ser posta em prática através de políticas concretas de forma a que os seus objetivos sejam atingidos.

As várias associações nacionais, preocupadas com a sustentabilidade dos sistemas agrícolas e reunidas na iniciativa europeia “Salvar as abelhas e os agricultores”, Apis Domus, Liga para a Protecção da Natureza, O Mundo das Abelhas, Plataforma Transgénicos Fora, Sociedade Portuguesa de Entomologia e ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável, dirigiram uma carta aberta aos ministros da Agricultura e do Ambiente questionando sobre as medidas que estão a ser planeadas, desenvolvidas ou implementadas para atingir a necessária redução de pelo menos 50% no uso de pesticidas até 2030.

 

[1] Phasing out harmful use of pesticides. The Lancet Editorial Vol. 389 (10074) 18–24 March 2017, Page 1076. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(17)30766-3