post

ZERO quer forte aceleração na oferta de postos para carregamento de veículos.

Um estudo hoje divulgado [1] pela Federação Europeia dos Transportes e Ambiente (T&E), da qual a ZERO faz parte, conclui que serão necessários cerca de 3 milhões de pontos de carregamento público para alimentar 44 milhões de veículos elétricos necessários para que a UE se torne neutra em termos climáticos até 2050. São mais de 15 vezes os 185.000 carregadores públicos atualmente disponíveis na UE – o que é suficiente para a frota elétrica atual, mas não para acompanhar o crescimento do mercado além de 2020.

A análise da T&E é baseada em uma nova métrica sobre a cobrança dos carregamentos na rede de infraestrutura pública que foi desenvolvida para ajudar os reguladores a estabelecer metas e determinar quantos carregadores públicos serão necessários.

Para financiar os carregadores necessários, a análise estima que a Europa precisa de 20 mil milhões de Euros nos próximos 11 anos, ou seja, 1,8 mil milhões por ano em média, em investimento público privado e direcionado para os investimentos certos. Hoje, isso representa apenas 3% do gasto anual da UE em infraestrutura rodoviária.

A T&E argumenta que esta é uma oportunidade de negócio e o cofinanciamento pode vir do plano de investimento europeu, que apoiará com um bilião de euros em investimentos sustentáveis durante a próxima década no âmbito do Acordo Ecológico Europeu.

O setor dos transportes é o maior problema climático da Europa, representando mais de um quarto (27%) das emissões totais de gases com efeito de estufa. Em Portugal, a percentagem de emissões associadas ao transporte rodoviário ronda um quarto do total. A Europa precisa de uma frota constituída por 40% dos novos carros com emissões zero em 2030 e, vender o último veículo com motor a combustão interna até 2035, o mais tardar.

Na Europa, tal como em Portugal, as prioridades devem ser acelerar a colocação de novos postos de carregamento e reforço da rede de postos de carregamento em habitações e locais de trabalho

Em Portugal, o número de pontos de carregamento público e privado é insuficiente. É o sétimo país da UE que precisa de fazer mais investimentos para melhorar a sua infraestrutura elétrica. A ZERO considera que o atraso na colocação de postos de carregamento está a retardar de forma muito significativa a adoção da frota de elétricos pelos condutores.

Segundo o estudo do T&E, serão necessários mais de 20 mil novos postos de carregamento em 2025 e cerca de 40 mil novos postos de carregamento até 2030. Atualmente, existem cerca de mil postos públicos de carregamento de veículos elétricos.

Na Europa, tal como em Portugal, o carregamento de veículos elétricos em habitações e locais de trabalho deve ser priorizado. O atraso na oferta de postos de carregamento está a impedir muitas pessoas de viverem em habitações sem garagem apesar de gostarem de ter um carro elétrico e considerarem também o estacionamento do seu veículo elétrico no local de trabalho, se não existirem postos disponíveis.

Segundo o estudo da T&E, entre 20% e 30% desses carregadores precisarão de estar localizados em áreas menos favorecidas e menos densamente povoadas para garantir que todos beneficiam de veículos com zero emissões.

O Acordo Ecológico Europeu para os transportes só pode acontecer com mais investimento em infraestrutura de emissão zero, como a expansão ampla da rede de carregamento, o que significa investir dinheiro na criação da rede de carregadores, especialmente em casa e no trabalho, e não na construção de mais gasodutos fósseis.

Revisão da Diretiva sobre combustíveis alternativos em 2020 pode trazer mais investimento para empresas em redes de carregamento e de empregos verdes

A próxima revisão da Diretiva sobre as infraestruturas de combustíveis alternativos da UE é o momento crítico para a Comissão Europeia ajudar os condutores europeus a cobrar e ajudar as empresas a enfrentar a onda de eletrificação. A revisão tem de acontecer este ano e deve ser transformada uma legislação com metas ambiciosas para garantir uma implantação rápida e harmonizada de carregadores em toda a Europa.

A transição para os veículos elétricos criará uma oportunidade de mercado de milhares de milhões de euros para a indústria europeia nas obras de rede, fabricação, instalação e manutenção da rede pública. A UE deve fazer tudo o que estiver ao seu alcance para combater a emergência climática, apoiando empregos verdes na Europa.

Nota para os editores:

[1] https://www.transportenvironment.org/publications/recharge-eu-how-many-charge-points-will-eu-countries-need-2030