post

Torres Vedras com 7 praias e Grândola com 4 são os concelhos líderes.

Por antecipação ao Dia Mundial dos Oceanos que se comemora amanhã, 8 de junho, a ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável anuncia as 44 praias ZERO poluiçãoem Portugal, o que significa que não foi detetada qualquer contaminação nas análises efetuadas às águas balneares ao longo das três últimas épocas balneares. Este valor representa sete por cento do total das 608 zonas balneares em funcionamento em 2018.Há mais 11 zonas balneares ZERO poluição em comparação com o ano passado.

Esta análise da Associação ZERO teve em conta os parâmetros da legislação em vigor e concluiu que existem 42 zonas balneares costeiras e duas interiores com ZERO poluição. Os concelhos com maior número de praias ZERO poluição são Torres Vedras (7), Grândola (4), Aljezur e Tavira (3).

Depois do decréscimo na época balnear passada, é com satisfação que vemos o número de praias ZERO poluição aumentar em cerca de 33%.

Apesar de ser extremamente difícil conseguir um registo incólume ao longo de três anos nas zonas balneares interiores, muito mais suscetíveis à poluição microbiológica, há duas praias nessa situação – Santa Luzia na Albufeira de Santa Luzia em Pampilhosa da Serra e Montes na Albufeira de Castelo do Bode em Tomar.

O que é uma praia ZERO poluição?

A partir de dados solicitados à Agência Portuguesa do Ambiente, a Associação ZERO identificou as praias que, ao longo das três últimas épocas balneares, não só tiveram sempre classificação “EXCELENTE” como apresentaram valores zero ou inferiores ao limite de deteção em todas as análises efetuadas aos dois parâmetros microbiológicos controlados e previstos na legislação (Escherichia colie Enterococosintestinais). Isto é, em TODAS as análises efetuadas não houve sequer a deteção de qualquer unidade formadora de colónias.

Três anos corresponde ao período mínimo habitualmente requerido pela Diretiva 2006/7/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 15 de fevereiro de 2006, relativa à gestão da qualidade das águas balneares, para se proceder à classificação da qualidade da zona balnear.

Três alertas em início de época balnear

A ZERO selecionou três aspetos que considera cruciais neste início de época balnear em muitas praias:

–       Por razões ambientais e de segurança, só devem ser frequentadas praias classificadas como zonas balneares, onde há vigilância e onde se conhece a qualidade da água;

–       Não devem ser deixados quaisquer resíduos na praia e, de preferência, devemos encaminhá-los através da recolha seletiva. Mais de 80 por cento dos 12,2 milhões de toneladas de plástico que entram no ambiente marinho em cada ano vêm de fontes terrestres, sendo o maior contribuinte o lixo de plástico, incluindo itens como garrafas de bebidas e outros tipos de embalagens;

–       Deve-se preservar a paisagem e os ecossistemas envolventes das zonas balneares, evitando o pisoteio de dunas ou outras áreas sensíveis.

Os dados utilizados nesta análise foram transmitidos pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente (informação também disponível no site da APA), responsável pela coordenação destas matérias designadamente pela classificação das águas balneares e dados de monitorização. A monitorização das águas balneares é uma competência legal da APA, no Continente, da Direção Regional dos Assuntos do Mar (DRAM), nos Açores, e da Direção Regional do Ordenamento do Território e Ambiente (DTROTA), na Madeira.

Praias ZERO poluição 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *