post

5 de junho – Dia Mundial do Ambiente – ZERO visita com Vereador Sá Fernandes (CML) exemplos de boas práticas ambientais, de Sete Rios aos Paços do Concelho, entre as 8h e as 10h da manhã.

A utilização cada vez mais insustentável dos recursos associada ao desafio do combate e adaptação às alterações climáticas, torna urgente generalizar a adoção de boas práticas em todas as áreas ambientais, por forma a reestabelecer um equilíbrio com a natureza.

Assim, neste Dia Mundial do Ambiente, 5 de junho, 4ª feira, entre as 8h e as 10h da manhã em Lisboa (ver programa detalhado no final), a ZERO acompanhada do Vereador de Ambiente da Câmara Municipal de Lisboa, José Sá Fernandes e de técnicos do município, pretende chamar a atenção para várias problemáticas ambientais e medidas que se podem adotar para tornar o nosso país mais sustentável e também mais preparado para as mudanças climáticas que já nos começam a afetar.

Utilizando modos mais sustentáveis de mobilidade, a ZERO, em parceria com a Lime e com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, visita diversas soluções positivas colocadas em prática na cidade, e que são bons exemplos para serem disseminados noutros espaços.

O percurso começa de trotinete, junto a um espaço de hortas urbanas, (ao pé do jardim da Amnistia Internacional), que trazem diversos benefícios para a população e para a cidade, nomeadamente a produção de alimentos biológicos pelas próprias famílias, sendo um contributo direto para uma alimentação mais sustentável e um contributo indireto para os rendimentos das famílias; aumento da segurança alimentar, com a produção de alimentos dentro do espaço da cidade; existência de mais espaços permeáveis na cidade, que são cuidados e vigiados/monitorizados.

Continua-se de trotinete até aos prados biodiversos, que estão semeados no início do Corredor Verde Gonçalo Ribeiro Telles, do lado do antigo Palácio da Justiça. Este espaço verde tem por objetivo ser mais adaptado ao clima e ter menos necessidades de água. Estas soluções são importantes também pois contribuem para trazer novamente mais espécies animais para a cidade, aumentando a sua biodiversidade, bem como para uma maior retenção de água no solo.

Ainda de trotinete, segue-se até ao Parque Eduardo VII, um excelente exemplo de um espaço verde que tem uma gestão da rega mais sustentável, de forma a reduzir as necessidades de água deste espaço verde, uma medida fundamental na gestão eficiente de água e de adaptação às alterações climáticas.

A partir da Praça Marquês de Pombal continua-se de bicicleta GIRA ou metro até ao Mercado da Ribeira para visitar uma loja onde são comercializados os produtos criados em modo de produção biológica e próxima, que assegura um maior respeito pelo ambiente, pois apenas recorre a técnicas naturais, e também pelo consumidor, que vai ter alimentos mais saborosos.

O percurso termina em frente aos Paços do Concelho, um exemplo de reabilitação, com vista à melhoria do conforto térmico no seu interior, e de melhoria da eficiência energética dos seus equipamentos e iluminação, bem como de utilização de sistemas de energias renováveis para a produção de eletricidade.

A reabilitação energética dos edifícios e a opção por equipamentos e iluminação mais eficiente, são medidas fundamentais para reduzir as necessidades energéticas dos edifícios e melhorar o conforto térmico e qualidade de vida dos utilizadores, num país onde atualmente ainda se passa muito frio e calor dentro dos edifícios.

A presença das energias renováveis em meio urbano, quer o fotovoltaico quer o solar térmico, têm uma enorme vantagem, pois coloca a produção de energia onde está o consumo, e em espaço já ocupado, tornando desnecessária a utilização de espaços naturais para a produção de energia.

A conclusão deste percurso ambiental nos Paços do Concelho de Lisboa pretende também destacar que a cidade vai ser a Capital Verde Europeia em 2020, um prémio que foi atribuído para valorizar os esforços que o Município fez para tornar a cidade mais amiga das pessoas, nomeadamente com a pedonalização de amplas zonas da cidade e o crescimento das áreas verdes, bem como os avanços conseguidos e os compromissos assumidos em áreas como a eficiência energética e a boa gestão da água.

A realização deste percurso em modos suaves de transportes e/ou em transportes coletivos tem por objetivo de mostrar que as opções de mobilidade são hoje muito mais diversas e adaptáveis às reais necessidades dos utilizadores, inclusive de chegar a pontos da cidade menos servidos pelos transportes coletivos. Este é um setor onde a atuação é fundamental, pois contribui de forma significativa para a emissão de gases com efeito de estufa, para a poluição atmosférica e contribui para os elevados níveis de ruído nas cidades, reduzindo a qualidade de vida e a saúde das populações.

As cidades precisam de voltar a ser mais “amigas” das pessoas, dando-lhes também espaços com qualidade ambiental não só para viver e trabalhar, mas também para atividades de lazer.

Os municípios precisam também de continuar o trabalho de combate às alterações climáticas, bem como preparar a sua adaptação, pois as mudanças estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia.

Percurso da sustentabilidade / Lisboa

Iniciativa no Dia Mundial do Ambiente,

5 de junho de 2019

Hora Local Meio de transporte Locais a visitar
8:00 Início do Jardim da Amnistia Internacional, do lado de Sete Rios

(Coordenadas: 38.7370326, -9.1666424)

Trotinete Hortas urbanas, produção local
8:20 Corredor verde Gonçalo Ribeiro Telles

(Coordenadas: 38.7338051,-9.1594441)

Trotinete Prados biodiversos, com vista a uma maior resiliência e resistência à falta de água
8:35 Miradouro do Parque Eduardo VII

(Coordenadas:  38.7300617,-9.1552411)

Trotinete Espaço verde com gestão eficiente de água
8:50 Marquês de Pombal – estações GIRA

(Coordenadas: 38.7247551, -9.1506045; Ou 38.7249318,-9.1497555)

Bicicletas GIRA até Cais do Sodré ou Metro ou Carris Mobilidade,  modos suaves e transportes coletivos
9:15 Loja da Herdade do Freixo do Meio

(Mercado da Ribeira)

Produção e consumo sustentáveis
9:40 Câmara Municipal de Lisboa – Paços do Concelho A pé Reabilitação, Renováveis e Capital Verde Europeia 2020