post

4º aniversário da ZERO celebrado amanhã, 1 de dezembro, com plantação na Mata Nacional de Leiria.

No próximo dia 2 de dezembro a ZERO fará 4 anos. Foi em dezembro de 2015 que um grupo de ativistas resolveu dar início a um novo projeto com o objetivo de tornar claro o que está em causa em termos sociais e económicos, se, enquanto Humanidade, não cuidarmos do único planeta conhecido que tem capacidade para albergar vida.

Nestes quatro anos a ZERO tem procurado ser uma força no sentido da mudança rumo à sustentabilidade. Temos denunciado situações de construção de infra-estruturas sem o devido planeamento, de exploração de recursos naturais sem um plano estratégico que compatibilize os diferentes interesses em jogo (imediatos e de longo prazo), de desenvolvimento agrícola apenas assente da ideia de crescimento, sem contabilizar os impactos de longo prazo no solo, na paisagem, na água e na biodiversidade.

Temos também sido uma força instigadora de melhores políticas públicas, a nível nacional e europeu, em áreas como a redução da poluição por plásticos, na gestão de resíduos, nas alterações climáticas. A assumção da neutralidade carbónica em 2050, o encerramento antecipado das centrais a carvão do Pego e de Sines, o início do pagamento dos serviços dos ecossistemas, a implementação de um sistema de depósito para embalagens de bebidas ou a aprovação do PERSU 2020+ sem aumento de incineração, foram algumas das vitórias rumo à sustentabilidade para as quais a ZERO contribuiu ativamente.

Mas há muito mais para conseguir. A implementação de uma economia circular assente na prevenção (redução, reutilização, reparação, durabilidade, atualização), a implementação das medidas que permitam a Portugal cumprir as metas europeias de reciclagem, incluíndo dos bioresíduos, o repensar de grandes infra-estruturas à luz das obrigações de redução de emissões de carbono, políticas que promovam uma agricultura sustentável e a transição para uma alimentação mediterrânica, assegurar um uso eficiente da água incluindo resultados na reutilização deste recurso, para além da garantia de caudais de água com qualidade nos rios internacionais.

 Num momento de transição, todos podem dar o seu contributo, mas do ponto de vista da ZERO as políticas públicas devem definir o caminho, estabelecendo um contexto de igualdade de circunstâncias para todos os atores, promovendo a mudança urgente na forma como produzimos e consumimos. Neste caminho, os deputados da Assembleia da República e do Parlamento Europeu podem desempenhar um papel determinante

Contudo, num contexto desigual, onde os recursos financeiros e as vontades políticas e empresariais ainda estão longe muito longe de responder aos desafios que se nos colocam em termos de sustentabilidade, torna-se ainda mais importante a existência de organizações como a ZERO, que se forma independente, desinteressada e incansável, defendem o bem comum.

Plantar vida como forma de celebrar o 4º aniversário

A ZERO conta de momento com cerca de 1700 associados e tem por objetivo atingir dois mil associados até ao final de 2020. Para celebrar o seu 4º aniversário, amanhã, dia 1 de dezembro, a ZERO vai realizar uma ação de plantação de 1100 árvores e arbustos autóctones (carvalhos-portugueses, sobreiros, folhados, samoucos, pirliteiros) numa área de 1,5 hectares da Mata Nacional de Leiria, contando com a preciosa ajuda de cerca de 60 associados com o apoio do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas.